Quando a maconha é uma saída para a vida

por Leandro Barbosa

publicado originalmente em The Intercept Brasil

CHEGUEI À CASA do Benício, às 9h, no dia 11 de outubro, com o desafio de entender a sua linguagem e a sua maneira de ver o mundo para contar sua história. As melhores lembranças desse dia são o sorriso dele e os curtos passeios que fizemos, de mãos dadas.

Essas demonstrações de afeto são conquistas recentes do menino de 9 anos, autista e portador da Síndrome de Dravet – doença rara causada por uma mutação genética que gera um quadro de epilepsia grave. E só foram possíveis graças ao esforço da sua família e ao uso do canabidiol (CBD), extraído da cannabis, planta popularmente conhecida como maconha.

Benício teve sua primeira convulsão aos 5 meses. Foram 40 minutos sem que ninguém soubesse dizer o motivo dos espasmos, lutando contra o tempo para que o bebê sobrevivesse. Desse dia até os seus 6 anos, foram 48 internações.

Benício, de 9 anos, é autista e portador da Síndrome de Dravet: uso do canabidiol reduziu drasticamente quantidade de internações. Foto: Lucas DAmbrosio

Benício, de 9 anos, é autista e portador da Síndrome de Dravet: uso do canabidiol reduziu drasticamente quantidade de internações. Foto: Lucas DAmbrosio

Continue lendo a reportagem no The Intercept Brasil.

 

Léo Barbosa • 03/11/2017


Previous Post

Next Post

Deixe uma resposta

Your email address will not be published / Required fields are marked *